Projeto Coral Vivo realiza ação de mapeamento biológico das espécies da Praia do Espelho


27/10/2022


Com o objetivo de pensar em maneiras de preservação da região, que recebe muitos turistas e embarcações durante o ano, o Projeto Coral Vivo, patrocinado pela Petrobras,  realizou, entre os dias 7 e 9 de outubro, o mapeamento biológico da Praia do Espelho. A iniciativa surgiu para atender a demanda da comunidade tradicional da RESEX Corumbau, através da Associação dos Moradores de Curuípe (AMPAC).

A população local se mostrou preocupada com o número crescente de turistas na região, que é pequena, por conta da preservação dos recifes de corais ali presentes. Além dos recifes, outro receio dos moradores, são as embarcações que chegam com os turistas, de forma desordenada, dividindo o pequeno espaço disponível com os banhistas.

O mapeamento foi realizado por meio de dois métodos: Foto-quadrados e Censo visual. O primeiro consistiu  produção de fotos tiradas das espécies com o formato de 50cm x 50cm, que foram analisadas em programas de computador. O segundo uma análise visual semiquantitativa das principais classes de organismos encontrados nos recifes mapeados, como algas, ouriços, corais, polvos, lagosta e caranguejos. A equipe Coral Vivo contou com quatro profissionais para o levantamento de dados, além do auxílio da comunidade local, que acompanhou e participou de todo o processo.

“O mapeamento nada mais é do que conhecer quais são os organismos e a biodiversidade deste local, considerando essa, uma informação chave para nortear qualquer ação ou proposta de uso desse território pela comunidade e gestores. Se a gente identifica locais onde existem espécies ameaçadas, ou uma maior ocorrência de espécies de interesse para a comunidade, essas áreas podem ser priorizadas para a conservação, o mapeamento também permite avaliar a efetividade das ações de proteção. Conseguimos medir, por exemplo, se daqui a 10 anos alguma medida em execução teve efeito ou não biodiversidade do local” conta Carlos Henrique Lacerda, coordenador regional de pesquisa do Projeto Coral Vivo, e líder dessa ação de mapeamento e avaliação em Curuípe.

 

Nos três dias de trabalhos de campo, foi possível identificar diferentes espécies de corais, incluindo espécies endêmicas e ameaçadas de extinção, como o Coral Cérebro da Bahia (Mussismilia brazilienses). Um fato que chamou a atenção, é que os corais cérebro geralmente não são encontrados em ambientes tão rasos, com colônias ficando expostas ao sol durante a maré seca. Espécies importantes para a manutenção da pesca artesanal, atividade típica da Reserva Extrativista de Corumbau, onde a praia está inserida, foram encontradas como polvos, lagostas e ouriços.

 

Além do trabalho biológico, a Marinha do Brasil e o ICMBio também estiveram no local para realizar marcações para a instalação de uma raia de embarque e desembarque de pessoas na praia, assim como, uma boia marcando a distância mínima de fundeio das embarcações (70m da praia), garantindo assim um local seguro para os banhistas desfrutarem do local.

 

A rica diversidade encontrada nos recifes revelou um importante potencial para o turismo sustentável na região, com a identificação de locais propícios para a prática de mergulho livre visando a observação da vida marinha. Tal riqueza também chama a atenção para os cuidados que o local deve receber, o aumento do número de turistas e embarcações que frequentam o local, ainda de forma desordenada, se mostra agora um problema ainda mais grave.

 

A região da Praia do Espelho é o principal atrativo turístico da vila de Curuípe, portanto recebe muitas embarcações ao longo do ano, em sua maioria lanchas grandes. Todas essas informações também devem compor o Plano de Manejo da Resex Corumbau, o documento federal que abriga as normas de uso da Unidade, que tem sua aprovação prevista para dezembro de 2022.

 

Sobre o Coral Vivo

 

Patrocinado pela Petrobras desde 2006, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, o Projeto Coral Vivo trabalha com pesquisa, educação, políticas públicas, comunicação e sensibilização para a conservação e a sustentabilidade socioambiental dos ambientes recifais e coralíneos do Brasil. Concebido no Museu Nacional/UFRJ, hoje é realizado por 13 universidades e institutos de pesquisa. Está vinculado ao Instituto Coral Vivo, que já foi coordenador executivo do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Ambientes Coralíneos (PAN Corais), e segue apoiando a iniciativa.

Além disso, o Coral Vivo integra a Rede BIOMAR, junto com os projetos Albatroz, Baleia Jubarte, Golfinho Rotador e Meros do Brasil. Patrocinados pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, eles atuam de forma complementar na conservação da biodiversidade marinha do Brasil. As ações do Projeto Coral Vivo são viabilizadas também pelo copatrocínio do Arraial d’Ajuda Eco Parque.

O Coral Vivo faz parte também da Rede de Conservação das Águas da Guanabara e Entorno (REDAGUA), que reúne, igualmente, projetos patrocinados pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental. A rede tem como objetivo promover a conservação da biodiversidade, prestação de serviços ecossistêmicos, restauração ambiental, pesquisa, educação ambiental, inclusão social e comunicação na região da Baía de Guanabara e entorno, sendo constituída pelos Projetos Coral Vivo, Guapiaçu, Meros do Brasil e Uçá.

 

 

Saiba mais nos links abaixo:

https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2022/10/26/coral-de-recifes-e-mapeado-em-famoso-destino-turistico-do-sul-da-bahia-resultado-preliminar-apontou-diversas-especies.ghtml

 

https://globoplay.globo.com/v/11062535

OUTRAS NOTÍCIAS