Patrocínio Oficial

Coral Vivo capacita jovens para perpetuar protocolo que monitora a saúde dos corais

Entre os dias 21 e 24 de março, o Projeto Coral Vivo levou o fundo do mar para mais perto de jovens integrantes da ONG Filhos do Céu, na Bahia. O projeto capacitou adolescentes voluntários que não tinham nenhuma experiência em mergulho com todo o conhecimento a respeito do protocolo Reef Check, método de monitoramento global de recifes de coral que tem como objetivo acompanhar e fiscalizar a saúde desses ecossistemas marinhos. Além de dar continuidade ao acompanhamento dos ambientes coralíneos de Porto Seguro (BA), o Projeto Coral Vivo tem a proposta de incentivar a Ciência Cidadã, já que o protocolo Reef Check conta com a participação comunitária, promovendo e valorizando o conhecimento dos moradores locais.

Por meio de aulas teóricas e práticas, os voluntários adquiriram conhecimentos sobre os recifes de coral, sendo apresentados ao método científico e aprendendo conceitos sobre a importância do acompanhamento continuado de longa duração. O curso foi ministrado por Fábio Negrão, coordenador regional do Reef Check Brasil no sul da Bahia e coordenador de Sensibilização do Coral Vivo, Carlos Henrique Lacerda, coordenador Regional de Pesquisas e Chefe da Base de Pesquisas do Projeto Coral Vivo, e pelos pesquisadores da equipe Coral Vivo Kely Salvi e Bruno Bauer.

O primeiro encontro com os alunos para a apresentação da programação do curso foi virtual. No dia seguinte, os jovens tiveram uma aula teórica no Arraial D'Ajuda Eco Parque, que ficou completamente fechado para visitantes com o intuito de evitar aglomerações e garantir a segurança sanitária dos voluntários.

O próximo passo foi experimentar na prática tudo o que aprenderam em uma simulação de mergulho em piscinas. Os jovens tiveram, então, seu primeiro contato com snorkel, cilindro de ar comprimido, colete de flutuação e respirador. Também aprenderam a anotar as descobertas que encontrariam no fundo do mar com prancheta e lápis próprios para atividades subaquáticas. E, no último dia da capacitação, foi realizada uma saída a campo para coleta de dados no Parque Natural Municipal do Recife de Fora. Durante todas as etapas do curso, os menores estiveram acompanhados de um monitor da ONG Filhos do Céu e de uma assistente social.

A partir desta capacitação, os jovens estão aptos a ingressarem no Programa de Voluntariado do Coral Vivo e vão integrar o time local de monitores para que o protocolo Reef Check Brasil seja perpetuado na costa baiana.

Além de toda a preocupação em proporcionar aos alunos um ambiente livre de aglomeração para aulas no Eco Parque, o Projeto Coral Vivo também reduziu pela metade o número inicial de voluntários que participariam da ação para, assim, dar continuidade à capacitação. Todos os envolvidos fizeram uso de máscara e álcool gel para a higienização das mãos e dos equipamentos. Em todos os encontros presenciais, o distanciamento social foi respeitado, inclusive na embarcação.

Sobre o Projeto Coral Vivo

O Projeto Coral Vivo é patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental e trabalha com pesquisa, educação, políticas públicas, comunicação e sensibilização para a conservação e a sustentabilidade socioambiental dos ambientes recifais e coralíneos do Brasil. Concebido no Museu Nacional/UFRJ, hoje é realizado por catorze universidades e institutos de pesquisa. Está vinculado ao Instituto Coral Vivo, que é o coordenador executivo do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Ambientes Coralíneos (PAN Corais). Esse documento de pactuação está sendo realizado com a coordenação geral do Cepsul/ICMBio. Além disso, o Coral Vivo integra a Rede BIOMAR, junto com os projetos Albatroz, Baleia Jubarte, Golfinho Rotador Meros do Brasil e Tamar. Patrocinados pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, eles atuam de forma complementar na conservação da biodiversidade marinha do Brasil. As ações do Projeto Coral Vivo são viabilizadas também pelo copatrocínio do Arraial d’Ajuda Eco Parque.

Fotos: Gisele Martins
Redação Projeto Coral Vivo