Patrocínio Oficial

Coral branqueado e close em poliqueta definem ouro do Concurso Coral Vivo de Foto Sub

Dupla Luiz Cassino e Roberta Decnop vence no júri técnico e também no voto popular pelas redes sociais

No final de semana chuvoso, de 21 a 23 de março, no Recife de Fora, em Porto Seguro (BA), os 20 fotógrafos e suas duplas tiveram as águas turvas como desafio para apresentar técnica e olhar artístico no Concurso Coral Vivo de Foto Sub. A dupla Luiz Fernando Cassino e Roberta Decnop se destacou com duas medalhas de ouro e uma medalha de prata, pelo júri técnico, conquistando o troféu de Primeiro Lugar Geral na divisão principal: DSLR/Mirrorless. Paralelamente, foi realizado concurso cultural nas redes sociais do Projeto Coral Vivo para saber quem levaria o troféu Melhor Fotografia Via Público. Foram 7.503 votos computados, no total, para vinte fotos. Eles também venceram, conquistando 705 votos com a imagem de colônias de coral-cérebro (Mussismilia harttii) cercada de rica biodiversidade marinha e a passagem de um cardume de cocorocas (Haemulon aurolineatum). Endêmica do Brasil e ameaçada de extinção em categoria vulnerável, as colônias dessa espécie apresentam áreas com branqueamento, por conta das águas mais aquecidas deste ano de El Niño.

Colônias branqueadas com cardume de cocorocas ganhou Melhor Troféu Via Público – créditos Luiz Cassino

Aliás, foi com a Categoria Temática Branqueamento que a dupla ganhou medalha de ouro pelo júri técnico. Colônias de coral-de-fogo (Millepora alcicornis) com as pontas branqueadas foram registradas em primeiro plano com o peixe budião-puxê (Halichoeres poeyi). A outra medalha de ouro de Luiz e Roberta foi conquistada na Categoria Close-Up, apresentando a estrutura espiral do verme poliqueta árvore-de-natal (Spirobranchus giganteus) vista do topo. Eles ganharam medalha de prata na Categoria Peixe com o perfil de uma maria-da-toca (Parablennius marmoreus). O Concurso Coral Vivo de Foto Sub foi realizado pelos projetos patrocinados pela Petrobras, Coral Vivo e Meros do Brasil, e também pela Associação Brasileira de Imagens Subaquáticas (Abisub) e a Secretaria de Meio Ambiente de Porto Seguro. Cabe destacar que o Recife de Fora é uma unidade de conservação localizada numa das regiões de maior biodiversidade marinha do Atlântico Sul, sendo uma das áreas prioritárias do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Ambientes Coralíneos (PAN Corais).

Close-up em poliqueta árvore-de-natal ganhou Ouro na Divisão DSLR – créditos Luiz Cassino

Na Divisão DSLR/Mirrorless, em Segundo Lugar Geral ficou a dupla Álvaro Velloso e Cláudia Lomba, que ganhou medalha de prata na Categoria Grande-Angular, com fotografia que destaca colônia de coralMussismilia harttii, e prata na Categoria Close-Up com o colorido de lírio-do-mar. Em Terceiro Lugar Geral, a dupla Marcelo Prim e Luiz Magina levou para casa ouro na Categoria Peixe com um neon-goby (Elacatinus figaro) em meio às reentrâncias do coral-vela (Mussismilia harttii), e bronze na Categoria Grande Angular com uma colônia de coral-de-fogo (Millepora alcicornis). A dupla Peu Guerbas e José Paulo ficou com o troféu de Quarto Lugar Geral, ganhando medalha de ouro na Categoria Grande Angular com uma paisagem recifal com destaque para uma colônia da gorgônia orelha-de-elefante (Phyllogorgia dilatata) junto a uma gorgônia (Plexaurella grandiflora). O troféu de Quinto Lugar Geral foi para a dupla Cleber Assumpção e Eduardo Resende, que conquistou a medalha de bronze na Categoria Close-Up com o búzio (Cyphoma macumba).

Peixe neon-goby nas reentrâncias do coral-vela ganhou Ouro na Categoria Peixe da Divisão DSLR – créditos Marcelo Prim

O troféu de Primeiro Lugar Geral na Divisão Compacta foi para a dupla Fernanda Saldanha e Marcia Tancredi. Elas conquistaram medalha de ouro na Categoria Close-Up com a imagem de um polvo, e duas medalhas de bronze. Uma na Categoria Grande Angular com uma paisagem recifal com destaque para uma lagosta, e outra na Categoria Temática com uma lente especial em colônia branqueada de coral-vela (Mussismilia harttii).

"Com esse Concurso que incluímos no atual contrato com a Petrobras, conseguimos reunir os principais nomes da fotografia subaquática do Brasil para registrar o Parque Municipal do Recife de Fora, onde realizamos as pesquisas junto a 14 universidades e institutos de pesquisa", destaca a bióloga Débora Pires, que é coordenadora de Comunicação e Sensibilização do Coral Vivo, que é patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental. Para o coordenador do Concurso Coral Vivo de Foto Sub, Áthila Bertoncini, a fotografia documental é uma importante ferramenta para a conservação ambiental, porque sensibiliza podendo gerar mudança em valores e atitudes. "Na busca pelas imagens que melhor representem o branqueamento de corais neste ano de El Niño, os fotógrafos contribuíram para a pesquisa e a divulgação científica, atuando também como cientistas cidadãos", avalia Bertoncini, que é bi-campeão de foto sub e coordenador do Programa de Foto-Identificação do Projeto Meros do Brasil. Uma seleção de fotografias desse concurso estará em e-book informativo, que está sendo produzido para estar disponível gratuitamente na seção Publicações do site www.coralvivo.org.br.

Branqueamento em colônia de coral-de-fogo leva Ouro na Categoria Temática Branqueamento da Divisão DSLR - créditos Luiz Cassino

O que é branqueamento de corais?

Uma das principais causas do branqueamento é o aumento de temperatura da água do mar. Em anos de ocorrência do fenômeno climático El Niño as águas do mar ficam ainda mais aquecidas. Esse estresse gera a expulsão das microalgas simbiontes – chamadas de zooxantelas – do interior do coral. São elas que dão cor ao tecido quase transparente do coral, que tem o esqueleto calcário branco, assim como os ossos de humanos. Quanto mais intenso e duradouro for o evento estressante, maior é a chance da colônia de coral adoecer e morrer, porque dependem dessas microalgas para viver. Cabe destacar que os recifes de coral são ambientes frágeis, que abrigam rica biodiversidade marinha, podendo ser comparados às florestas tropicais para a manutenção da vida na Terra.

Sobre o Recife de Fora em Porto Seguro

A Secretaria de Meio Ambiente de Porto Seguro (BA) é o órgão gestor do Parque Natural Municipal do Recife de Fora. Ele foi criado em 1997, tem 17,5km², e fica a 5 milhas náuticas da costa. Essa unidade de conservação tem visitação diária limitada a 400 pessoas em trecho específico, tendo o restante da área protegida.

Sobre a Abisub

A Associação Brasileira de Imagens Subaquáticas (Abisub) tem como proposta integrar fotógrafos de todo país promovendo eventos estaduais e nacionais de fotografia e videografia subaquática com intuito de compartilhar experiências e conhecimento entre fotógrafos de vários níveis de habilidades, dos mais experientes aos que querem iniciar no universo das imagens subaquáticas.

Sobre o Projeto Coral Vivo

O Projeto Coral Vivo trabalha com pesquisa, educação, políticas públicas, comunicação e sensibilização para a conservação e sustentabilidade socioambiental dos ambientes coralíneos do Brasil. É realizado por 14 universidades e institutos de pesquisa, e é o coordenador executivo do PAN Corais, que engloba 18 áreas do MA a SC e 52 espécies ameaçadas de extinção: peixes e invertebrados. Tem base e centro de visitantes no Arraial d'Ajuda Eco Parque,em Porto Seguro (BA). O Coral Vivo integra a Rede Biomar, junto com os projetos Albatroz, Baleia Jubarte, Golfinho Rotador e Tamar, patrocinados pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental. O Coral Vivo tem o co-patrocínio do Arraial d'Ajuda Eco Parque, e contou com o apoio do Arraial d'Ajuda Eco Resort durante o Concurso Coral Vivo de Foto Sub.

Sobre o Projeto Meros do Brasil

O Projeto Meros do Brasil atua em âmbito nacional para a conservação dos meros (Epinephelusitajara) e dos ambientes marinhos e costeiros associados. O Projeto desenvolve ações de pesquisa, educação e comunicação ambiental por meio de uma rede de colaboração que envolve 60 instituições governamentais, ONGs e a sociedade civil. É patrocinado pela Petrobras e está presente em nove estados brasileiros: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco e Pará. Atualmente, os meros são tidos como um símbolo de conservação e proteção marinha no país.

Redação Projeto Coral Vivo